Administração Municipal promove ato em solidariedade aos médicos cubanos

Na sexta-feira (23), nas dependências do Posto de Saúde do Bairro São Roque, a Administração Municipal de Constantina promoveu um ato em homenagem e em solidariedade a Dra. Magdalenis Cordoví Santisteban  e ao Dr. Yunier Almaguer Pantoja, que são médicos cubanos e, através do Programa Mais Médicos, estavam atuando no município desde o ano de 2017.

A Dra. Magdalenis atendia a comunidade do Bairro São Roque e o Dr. Yunier atuava na área indígena do Capinzal.

Participaram da homenagem, além dos dois profissionais, a equipe do Posto de Saúde do Bairro São Roque, o Vice-prefeito e Secretário de Saúde Adroaldo Araujo e o Prefeito Municipal Gerri Sawaris.

“É um dia muito triste para a equipe da Secretaria de Saúde, durante esses anos, em que os médicos cubanos atuaram em nosso município, convivi e acompanhei diretamente o trabalho deles. Esses colegas são pessoas muito humanas, profissionais dedicados e com muito conhecimento na área médica. Foi um período de muito aprendizado e troca de experiências, o que contribuiu para o crescimento pessoal e profissional de toda a equipe”, destacou o Dr. Anderson Alievi, que também é médico da Secretaria Municipal de Saúde.

Para a enfermeira Elisangela Giacomini, toda a comunidade constantinense vai perder com a saída desses profissionais, principalmente os moradores do Bairro São Roque e da área indígena, que deixam de contar com a atuação de dois excelentes médicos, que além de promoverem um atendimento humanizado e afetivo possuem muita competência  técnica.

A diretora do Posto de Saúde do Bairro São Roque, Gessi Rodrigues Ribeiro, se mostra preocupada com a saída dos cubanos do Programa Mais Médicos: “aqui no Bairro São Roque atendíamos a demanda de 48 consultas por dia e agora, com a saída da Dra. Magdalenis, vamos ter que reduzir os atendimentos pela metade, até que o Governo Federal nos envie outro profissional. É um prejuízo para toda a nossa comunidade”.

Durante a homenagem, diversos moradores do Bairro São Roque, que estavam passando pelo Posto de Saúde, também manifestaram a sua solidariedade para com os profissionais.

“Sempre fui muito bem atendida  pela Dra. Magdalenis e também pelos médicos cubanos que trabalhavam antes dela chegar, todos os moradores elogiavam o trabalho deles”, destacou Deonilde Freitas de Oliveira, que é moradora do Bairro São Roque e por diversas vezes foi atendida pelos profissionais cubanos.

O Prefeito Gerri Sawaris, em nome da Administração Municipal , agradeceu aos profissionais pela grande contribuição no fortalecimento da saúde pública: “Constantina era contemplada por dois excelentes médicos que atendiam o Bairro São Roque e a área indígena, que de certa forma são as comunidades mais carentes do município. Agradecemos muito o trabalho e o empenho desses profissionais, com certeza foram fundamentais para o fortalecimento da saúde pública. Lamentamos muito a saída dos cubanos do Programa Mais Médicos. Atualmente não temos médicos suficientes para atender toda a demanda, caso o impasse não seja resolvido pelo Governo Federal, uma grande parcela da comunidade, principalmente o povo mais pobre, vai sofrer as consequências”.

Desde o ano de 2014, por meio de um convênio com o Programa Mais Médicos, o nosso município era assistido por dois profissionais cubanos, que atendiam o Bairro São Roque e a área indígena. Até o ano de 2017 atuavam em Constantina a Dra. Mirley Vilato Floriam e o Dr. Jainer Tejeda Martinez, que foram substituídos pela Dra. Magdalenis e pelo Dr. Yunier.

Após algumas declarações polêmicas do presidente eleito Jair Bolsonaro, o Ministério da Saúde de Cuba decidiu retirar, do Programa Mais Médicos, os profissionais daquele país. Tal impasse tem gerado problemas para diversos municípios brasileiros, tendo em vista que mais de 8 mil médicos cubanos atuavam no Brasil. De acordo com a Confederação Nacional dos Municípios (CNM) a saída de cubanos do Mais Médicos afetará 28 milhões de pessoas.

Durante a última semana, tentando solucionar o impasse, o Governo Federal abriu edital para inscrições de profissionais brasileiros no programa. De acordo com informações divulgadas pelo Ministério da Saúde, no domingo (25) haviam sido preenchidas 96,6% das vagas do edital. No entanto, os dados divulgados pela pasta não informam se os candidatos manifestaram preferência por trabalhar em alguma região do país. Até o dia 14 de dezembro, os médicos aprovados deverão entregar os documentos exigidos nos municípios onde irão trabalhar.

Para o município de Constantina, caso o impasse não seja resolvido, o Posto de Saúde do Bairro São Roque, que antes era assistido por dois médicos, vai contar com o atendimento de apenas um, reduzindo pela metade o número de consultas. O Posto de Saúde da Área Indígena vai ficar desassistido de profissionais médicos.

Compartilhe